Livro acadêmico: da escrita à publicação

Neste artigo, a editora e professora Gabriella Nair apresenta aspectos relevantes ao processo de publicação de um livro acadêmico. Percorrendo passos importantes, que vão desde a escrita do original ao trabalho conjunto com a editora, a autora dá dicas importantes que devem ser, indispensavelmente, observados por professores e pesquisadores interessados em dar visibilidade a seu trabalho.


Fonte: Pexels


Para professores e pesquisadores, principalmente mas não apenas das áreas de humanidades, publicar um livro é algo muito importante, uma vez que enriquece o currículo e conta pontos para a avaliação dos programas de pós-graduação, refletindo a progressão de uma carreira acadêmica. Ainda, a publicação de livros pode ampliar a visibilidade e relevância, assim como evidenciar a credibilidade de um profissional da academia, servindo de referência para outros pesquisadores.


No entanto, o principal estímulo para os autores não deve partir de suas próprias necessidades e anseios, mas sim do impacto que a obra terá sobre o seu público leitor. Deve-se extrapolar a lógica produtivista, de quantidade em detrimento da qualidade, e ponderar se, de fato, o livro preencherá uma lacuna de conhecimento. As perguntas que devem ser feitas são: Quem lerá o meu livro? O conteúdo é original em relação à temática abordada? Contribuirá para disseminar um conhecimento ainda pouco trabalhado, suscitando reflexões e debates entre meus pares? Isto é, meu texto é um bom livro, que vale a pena ser publicado?


A partir de minha experiência como coordenadora de uma editora universitária, elenquei alguns passos importantes a serem observados por quem tem interesse em publicar um livro acadêmico:


1. Pesquise livros. Quais são os livros mais lidos ou mais interessantes na sua área de atuação? Como eles estão estruturados? Fica mais fácil delinear o livro a partir da observação de como outros semelhantes são apresentados.


2. Um livro é uma narrativa. Estruture o seu trabalho de maneira que ele tenha começo, meio e fim, e que o leitor compreenda as etapas do seu raciocínio. Nos livros monográficos, normalmente adaptados de dissertações e teses, é fundamental que o texto seja trabalhado de maneira a ampliar seu alcance.


3. A escolha do título é decisiva. Pense que o livro deve despertar o interesse do leitor. Desta forma, títulos muito extensos ou detalhados são desaconselháveis. Ao contrário dos artigos acadêmicos, que devem circunscrever o campo de estudo, os títulos dos livros têm liberdade para serem mais objetivos e, por que não, publicitários e instigantes. O mesmo vale para os títulos dos capítulos.


4. É fundamental se fazer entender. Evite textos muito truncados ou demasiadamente longos. Organize o texto em subtópicos, se necessário. Adapte a linguagem ao público leitor. Evite, também, clichês ou estrangeirismos.


5. Cuidado com as notas de rodapé. Notas são interrupções no texto, que tornam a leitura mais fragmentada, logo, seu número deve ser reduzido em relação ao texto acadêmico. Verifique e mantenha aquelas que são realmente necessárias. Cabe, também, avaliar se as notas de fim funcionariam melhor.


6. Realize a curadoria das imagens. A utilização de imagens nos livros acadêmicos não é obrigatória, mas enriquece o projeto. Todavia, é necessário que as imagens tenham qualidade e, obrigatoriamente, que você possua o direito de uso delas. Caso haja fotografias, preocupe-se com o enquadramento e com a luz.


7. Convide seus pares. Após finalizar a escrita, convide um ou dois colegas com reputação na área para escreverem o prefácio, posfácio ou a apresentação do livro. Esse endossamento permitirá que o texto ganhe credibilidade.


8. Deixe seu texto atrativo. Elementos pré, paratextuais e pós textuais, como prefácio, epígrafe, imagens, gráficos e posfácio enriquecem um livro. A existência de um índice remissivo, além de auxiliar os leitores em sua pesquisa, é bem pontuada pela Capes.


É importante, ainda, lembrar o que o historiador e estudioso dos livros Chartier nos alerta: autores não escrevem livros. Após a submissão do original para publicação, há todo um fluxo de editoração. O arquivo deve passar por enquadramento, avaliação, várias revisões e diagramação para, enfim, constituir um livro pronto para divulgação. Esse processo não acontece de um dia para o outro! Também, envolve diversos profissionais especializados, como preparadores, revisores e designers, que lapidam o texto e as imagens a fim de torná-los um livro de qualidade a ser publicado e amplamente lido. É fundamental, nesse processo, que os autores tenham paciência e disponibilidade para contribuir com a editora, sabendo que todos buscam entregar produtos de excelência.


É recomendado, inicialmente, consultar guias, manuais de apoio aos autores e informações disponibilizadas nas chamadas de publicação, pois estas especificam quais materiais podem ser submetidos e como devem ser apresentados. As editoras normalmente possuem comitês próprios para análise das obras, a fim de decidirem sobre sua aprovação ou desclassificação. Conhecer mais sobre o perfil da editora, sua área de especialização e seus processos de seleção é um passo fundamental para que o seu original seja aceito.


Após saber mais sobre como escrever um livro acadêmico, você poderá redigir o seu e contribuir, tanto para a ampliação do conhecimento na área abordada como para o diálogo com alunos, interessados da comunidade acadêmica e da sociedade de maneira geral. O caminho para a elaboração, avaliação, revisão e distribuição de uma obra é longo e demorado, mas, feito isso, as recompensas são gratificantes.




COMO CITAR ESTE ARTIGO:


PINTO, Gabriella Nair F. N. “Livro acadêmico: da escrita à publicação”, em Revista Ponte, v. 2, n. 10, ago. 2022. Disponível em: https://www.revistaponte.org/post/livro-academico-escrita-publica%C3%A7%C3%A3o




Gabriella Nair é doutoranda e mestra em Design pela Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), possui especializações em Projetos Editoriais Impressos e Multimídia pelo Centro Universitário UNA e em Gestão Estratégica pela Fundação João Pinheiro (FJP), graduação em Administração Pública pela Escola de Governo da FJP e em Design Gráfico pela UEMG. Lecionou no curso de Design Gráfico do Instituto de Arte e Projeto – INAP. Coordena a Editora da UEMG desde 2018. Membro do Grupo de Estudos "Mulheres na Edição" (CEFET-MG), Gabriella escreve para a coluna de mesmo nome, na Revista Ponte.




 

Este artigo foi importante para a sua reflexão? Então ajude a Revista Ponte a manter este projeto e conheça o nosso projeto de financiamento coletivo no Catarse.

 


Referências:


CAPES – Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Ministério da Educação. Proposta de Classificação de Livros. Disponível em: https://www.gov.br/capes/pt-br/centrais-de-conteudo/12062019-proposta-de-classificacao-de-livros-gt-qualislivro-pdf/view. Acesso em: 02 ago. 2021.


CHARTIER, Roger. Os desafios da escrita [recurso eletrônico]. Unesp, 2002. n.p.


PACO EDITORIAL. Por que publicar um livro acadêmico? 2019. Disponível em: https://editorialpaco.com.br/por-que--publicar-um-livro-academico/. Acesso em: 02 ago. 2021.